[#PernaDePauNoCarnaval] Museu Cais do Sertão

Logo eu, que nunca quebrei nada….
Fui quebrar o pé justamente em Recife, no Carnaval, de férias.
É, pois é.

Mas senhora(s)-desconhecida(s), que me pergunta(m) 4 a 5 vezes por dia “mas logo no carnaval?!”, juro, juradinho, que se a Vida tivesse me perguntando quando que queria quebrar o pé, teria sido em outra época do ano. Também seria na minha casa, dormindo na minha cama, tomando banho no meu banheiro…

Não que a Vida não tenha sido boa comigo nesse quesito. Porque se tem um negócio que eu tenho que agradecer nessa vinda para Recife foi ter conhecido a Karla, que tá cuidando de mim como se fosse minha irmã. Faz piada para não me deixar baixo-astral, cozinha pra mim, me leva para os cantos, me dá o braço braço para andar, me lembra de tomar o remédio.

Além da Karla, hoje preciso falar também no Flávio, bombeiro do museu do Cais do Sertão, que assim que me viu saindo do carro de muleta, se apressou a trazer a cadeira de rodas. Ele se ofereceu para ficar me empurrando pelo museu, mas eu com minha mania de independência, agradeci mas pedi para ir sozinha. No primeiro andar… pq para subir ao segundo, de escada ele me deu apoio. Depois para descer também. Quando cheguei na beira da escada para descer ele já estava lá me esperando, de prontidão.

Enquanto eu tentava manobrar a cadeira de rodas no museu, lembrava do jogo de basquete que vi nas paraolimpíadas e pensava: são só 6 semanas com o pé imobilizado. são só 6 semanas. Tem gente que leva uma vida inteira assim. Eu não tenho do que reclamar. Aproveito o novo ângulo para reparar o quanto os lugares não são acessíveis, o quanto as pessoas me olham com pena, o quanto os ângulos não favorecem, os espaços são apertados, os chão escorregadios ou esburacados, o quanto poucas pessoas se oferecem para ajudar.

Como vai ser os próximos dias, eu não sei não.
Mas sei que posso ver tudo isso como vitima da situação – com pena de mim mesmo – ou como uma oportunidade que a vida tá me dando. E eu escolho essa segunda opção. Prefiro ver tudo isso como oportunidade de reconhecer pessoas queridas, para aprender a ser ajudada e a pedir ajuda, para aprender a respeitar meus tempos e limites… e o que mais vier.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s